TAXA DE DESEMPREGO CAI PARA 4,1% NA REGIÃO METROPOLITANA

0 comentários
A taxa de desemprego na Região Metropolitana do Rio de Janeiro caiu de 4,6%, em outubro, para 4,1%, em novembro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda no contingente da população economicamente ativa medida pela pesquisa foi geral no país, tendo baixado de 5,3%, em outubro, para 4,9% em novembro. É a menor taxa para o mês de novembro, desde o início da série histórica da pesquisa, em março de 2002. A taxa também foi a segunda menor de toda a série, ficando atrás apenas dos 4,7% registrados em dezembro de 2011.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, Julio Bueno, o Estado do Rio está em um período muito bom, em termos econômicos, com o mercado de trabalho aquecido e a renda, melhorando.

- O Rio de Janeiro vive um momento único, de pleno desenvolvimento. As empresas que estão vindo para se instalar no estado criam um círculo virtuoso que gera não só empregos, mas qualifica o profissional e, consequentemente, melhora a renda - disse.

Ainda de acordo com a pesquisa do IBGE, o rendimento médio real dos trabalhadores atingiu o valor de R$ 1.809,60 em novembro, o mais alto de toda a série. Isso representa uma alta de 0,8% na comparação com outubro. A massa de rendimentos, que representa a soma dos salários nas regiões pesquisadas, foi de R$ 42,8 bilhões, alta de 1% em relação a outubro e de 8,3% sobre novembro de 2011.

CRéditos à Subsecretaria de comunicação Social

Leia Mais »

Moradores do Bairro Carioca II ganham mais 180 apartamentos

0 comentários

O vice-governador Luiz Fernando Pezão participou, ao lado do prefeito do Rio, Eduardo Paes, da entrega das chaves das 180 unidades habitacionais do condomínio Bairro Carioca II, empreendimento do Programa Minha Casa Minha Vida, na manhã desta segunda-feira (24/12). Localizado em Triagem, na zona norte do Rio, o residencial Bairro Carioca II beneficiará famílias que viviam em áreas de risco.

Cada apartamento é dividido em sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço, com 45,11 metros quadrados. Entre as unidades habitacionais, seis possuem condições de acessibilidade, com maior área construída, além de portas e janelas adaptadas para cadeirantes.

Após entregar a chave a uma das novas moradoras, Pezão fez questão de enaltecer a parceria entre as esferas federal, estadual e municipal.

- É uma alegria ver o nosso prefeito Eduardo Paes entregando moradia digna, cidadania e esperança de uma vida melhor. Este projeto representa um governo de integração do prefeito com o governador Sérgio Cabral, com o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma. Quando as autoridades se entendem, quem ganha é o povo.

O Bairro Carioca terá 2.240 moradias distribuídas em 112 prédios, numa aárea de 125 mil metros quadrados, o equivalente a 20 campos de futebol.

- Este bairro aqui é o símbolo do que queremos para a nossa cidade. Ninguém gosta de ver pessoas morando em área de risco e em condições precárias – ressaltou o prefeito da cidade, Eduardo Paes.

Créditos à Subsecretaria de comunicação SOcial


Leia Mais »

Ciclovia na Niemeyer ligará Leblon a São Conrado

0 comentários


Palco do primeiro circuito brasileiro de automobilismo e localizada em uma das mais belas paisagens do Rio, entre o Morro Dois Irmãos e o Oceano Atlântico, a Avenida Niemeyer vai ganhar uma ciclovia. A pista de 3.900 metros de extensão será erguida sobre o costão de pedra e ligará os bairros de São Conrado e Leblon, fechando, junto com a futura ciclovia do Joá, o cinturão cicloviário da cidade, desde a Prainha, no Recreio, até o Aeroporto Santos Dumont, no Centro.

Embora sem data para começar, a previsão da Secretaria municipal de Obras é que a obra dure 15 meses. A licitação deve acontecer em março.

— Teremos, assim, a integração da malha cicloviária entre as zonas Sul e Oeste — explica o secretário Alexandre Pinto.

Segundo ele, a intenção é realizar ao mesmo tempo a duplicação do Elevado do Joá, que ganhará uma ciclovia e uma terceira faixa de rolamento na pista superior. Na Niemeyer, a ciclovia terá 2,5 metros de largura.

— Ela será construída sobre um sistema de vigas no costão, para evitar o estreitamento das pistas da Niemeyer, que é uma ligação importante e tem trânsito muito intenso — diz Pinto.

O projeto foi realizado pela Geo-Rio e consiste na implantação de estruturas de concreto ancoradas, divididas em quatro seções. Na primeira seção, na vertente de São Conrado, a ciclovia ficará instalada sobre a estrutura de tubos metálicos da Cedae e apoiada em pilares de concreto armado, ancorados na rocha.

Na segunda seção, em área próxima à passarela do Morro do Vidigal, a intervenção contará com uma estrutura de concreto armado para alargamento da passarela e implantação da ciclovia. Já na terceira seção, ainda perto do principal acesso à comunidade, a intervenção se restringe à construção do piso e à implantação de sinalização horizontal. Na quarta e última seção, junto ao Hotel Sheraton, onde existe uma estrutura metálica para circulação de pedestres, a ciclovia será construída em concreto armado, substituindo a estrutura metálica. Hoje, ciclistas do Vidigal dividem o pequeno espaço com pedestres ou se aventuram em meio ao trânsito pesado da Niemeyer.

— Há anos a gente ouve falar que vão construir uma ciclovia aqui. É mais do que necessário. De bicicleta, a gente chega ao Leblon em cinco minutos. A pé ou de ônibus demora muito mais — afirmou o surfista Felipe Oliveira.

Acostumada a pedalar do Humaitá a Ipanema para ir à praia, a enfermeira Fátima Morgado comemorou a novidade: — A cidade merece. Será um passeio lindo atravessar São Conrado pelo costão.

Créditos ao O Globo

Leia Mais »

Descaso na saúde aldeense é vergonha regional. UPA permanece abandonada e Pronto Socorro em más condições.

0 comentários


No período de alta temporada, as cidades estão mais cheias e mais gente depende dos serviços de saúde. Em São Pedro da Aldeia, a procura no pronto atendimento cresce bastante. São 3.000 pacientes a mais, por mês. E eles reclamam da espera.

O serviço poderia ser desafogado se a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) estivesse funcionando na cidade. Mas as obras, que deveriam ter ficado prontas ainda em 2011, não foram concluídas.

O Ano Novo começa trazendo velhos problemas. Na porta do Pronto Atendimento de São Pedro da Aldeia, a deixa pacientes "im-pacientes". E a dificuldade de conseguir consulta também é reflexo do que acontece nas unidades dos bairros.

A unidade atende, em média a 8.000 pessoas por mês. Na alta temporada, este número salta para 11 mil. A espera é sempre de incerteza.

Com 81 anos, em um dia de chuva, a aposentada Nobelina de Oliveira, espera debaixo de um toldo todo rasgado para fazer a troca do curativo na perna. Por precaução, trouxe o material de que pode precisar.

E a indignação dos moradores fica ainda maior quando o assunto é a UPA. O prédio foi erguido com a promessa de ser entregue em abril do ano passado, o que não aconteceu. Depois, o Governo do Estado informou que ela ficaria pronta ainda no segundo semestre do ano passado. 2012 chegou e a unidade continua de portas fechadas para o povo.

Quem vê tem a impressão de que está abandonado. Os equipamentos não chegaram ainda. Para dar andamento ao projeto, agora, é a prefeitura que tem que fazer o serviço na parte de fora.

O serviço vai custar R$ 200 mil. Difícil é tanta explicação convencer os moradores.

O Governo do Estado informou que, no começo do ano passado, precisou reforçar as equipes que trabalhavam na reconstrução da Região Serrana. E, teve que deslocar os operários e, por isso, a obra atrasou. Disse que o novo prazo para o começo dos atendimentos é início do primeiro semestre.

Em relação aos problemas mostrados no Pronto Atendimento de São Pedro da Aldeia, a Secretaria de Saúde informou que faz uma reforma na estrutura do prédio. E, disse que fez um reforço no atendimento dos postos, com oito médicos contratados, e acredita que o tempo de espera seja menor. E garante que não falta material de atendimento aos pacientes.

Sobre o médico que atende no posto de Campo Redondo e trabalha também em outra unidade, o Secretário Carlos César Machado confirmou essa situação. Mas disse que isso não causa problemas, porque também há outros profissionais nos postos de saúde.

Créditos à INTERTV

Leia Mais »

ELEVAÇÃO DA VIA FÉRREA DE MANGUINHOS CRIARÁ PARQUE E PASSEIO PÚBLICO

0 comentários
A comunidade de Manguinhos, entre Bonsucesso e Benfica, começa a ganhar a principal área de lazer da região. Sob a elevação da linha férrea, numa distância de cerca de dois quilômetros, está sendo construído um grande passeio público, com piso de madeira ecológica e quiosques. O local receberá ainda uma ciclovia e quadras, com projetos de incentivo ao esporte em todas as comunidades do entorno do parque.

Para os moradores, a elevação da via férrea já cria grande expectativa. Abandonada há décadas, a área começa a atrair novos olhares. A melhoria, feita pela Secretaria de Obras, através da Empresa de Obras Públicas (Emop), criará também um binário de tráfego, nas ruas Uranos e Leopoldo Bulhões, que serão ampliadas e contarão com vagas de estacionamento e baias para ônibus e transporte complementar.

- Essa é uma grande obra para a região, pois complementa o que já foi entregue, como a escola, biblioteca e unidades habitacionais. Esse parque será o maior da zona da Leopoldina e vai permitir a integração entre todas as comunidades e os bairros do entorno – frisou o secretário de Obras, Hudson Braga.

A via férrea está sendo elevada numa extensão de 1.700 metros. Sob a obra está sendo construído um passeio público, ao estilo da famosa Rambla, de Barcelona, que irá ser um ponto de referência e convergência da população. A nova estação ferroviária de Manguinhos, que já está sendo construída e recebe agora a cobertura metálica, terá três andares, escadas rolantes e elevador para idosos e portadores de necessidades especiais.


Confira imagens abaixo:












Créditos à Subsecretaria de comunicação social RJ

Leia Mais »

ALERJ APROVA FINANCIAMENTO ADICIONAL DE US$ 100 MILHÕES PARA RIO RURAL

0 comentários
A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou na última segunda-feira o projeto de lei 1170/11, que autoriza o Poder Executivo a fazer empréstimo para o financiamento adicional ao projeto de desenvolvimento rural sustentável em Microbacias Hidrográficas – Rio Rural, da secretaria estadual de Agricultura.

No valor de US$ 100 milhões, o crédito será obtido junto ao Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird). O governador Sérgio Cabral explicou que o recurso restituirá o dinheiro alocado em ações emergenciais de recuperação da atividade agrícola afetada pelas chuvas na Região Serrana. Assim o Estado poderá retomar as atividades e metas previstas no projeto original, aumentando a produtividade.

Além de repor recursos utilizados na reabilitação produtiva das áreas afetadas, o Rio Rural FA, como está sendo denominado, ampliará a atuação do programa nas microbacias, acelerando o desenvolvimento sustentável em áreas estratégicas do Estado e preparando o setor agrícola para o cenário de crescimento e novas oportunidades econômicas e ambientais.

Na avaliação do secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, a nova abordagem do programa permitirá formular estratégias para grupos de microbacias e/ou municípios em um mesmo território. Cada agrupamento possui características econômicas, sociais e ambientais semelhantes, o que possibilita uma ação integrada e mais estruturante do programa.

– Nesses locais serão canalizados investimentos mais significativos, visando agilizar transformações na paisagem e resultados socioeconômicos ainda mais contundentes – concluiu.

Créditos à Subsecretaria de comunicação social RJ

Leia Mais »

below feature ads

Conferência e eventos