Projeto analisa as complexidades das transformações no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Com uma paisagem natural tão diversa, com serra, baixada e mar, o Rio de Janeiro sempre encantou gente de todo o mundo, fonte de inspiração para músicos e poetas. Os efeitos da ocupação urbana, no entanto, muitas vezes comprometem essas belezas naturais. Para analisar como essas transformações interferem no espaço, dos efeitos da forte presença da metrópole carioca e da urbanização sobre a paisagem fluminense, um grupo multidisciplinar – que abrange pesquisadores com experiência em geoprocessamento, avaliação ambiental, gestão territorial e planejamento – do Departamento de Geografia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC), desenvolveu o projeto "Metropolização e transformações no espaço e na paisagem do Estado do Rio de Janeiro".

O estudo, que tem coordenação de João Rua, doutor em geografia humana, contou com recursos do edital Apoio a Grupos Emergentes de Pesquisa no Estado do Rio de Janeiro.

Durante a pesquisa, foi feito o levantamento e a atualização de informações sobre o contexto histórico, socioeconômico, político, cultural e físico-ambiental do território fluminense, além de pesquisa em documentos históricos ligados à sua ocupação, entrevistas com moradores e análise de informações sobre as manifestações urbanas em áreas rurais. Tudo isso permitiu aos pesquisadores avaliarem diversos aspectos do Rio de Janeiro.

Tomando-se como ponto de partida a época da fusão do estado da Guanabara com o estado do Rio de Janeiro, há 35 anos, uma das mudanças mais significativas, de acordo com João Rua, foram as estratégias de interiorização econômica, política e cultural, que vêm integrando a capital ao interior do estado.

- O pólo petroquímico de Itaboraí, as fábricas de automóveis em Resende, entre outros exemplos, estão unindo o que a história separou desde o governo de Juscelino Kubitschek, em que se priorizou a entrada de empresas estrangeiras e o investimento de capital internacional no sudeste do país - explica o geógrafo.

Esta integração da capital ao interior é muito mais do que física. João Rua explica que as influências culturais e de comportamento que a metrópole tem exercido sobre o interior fluminense, ao longo do tempo, têm encurtado a distância entre ambos. Segundo o pesquisador, não basta estar na cidade para ser considerado urbano. Ele detalha como se processa esta situação, a partir do conceito de urbanidades.

- Considera-se que urbanidades podem ser constituídas por uma enorme gama de manifestações, que incluem, em seus aspectos materiais, a melhoria da infraestrutura e dos meios de comunicação, novas formas de lazer, uma segunda residência, o turismo, as indústrias, o acesso a bens de consumo coletivos, especulação imobiliária e o preço da terra, além de novas relações de trabalho e direitos trabalhistas, aposentadoria rural, dentre outros indicadores relevantes - enumera.

Mas aspectos imateriais também podem incluídos entre as urbanidades, como certos valores, entre eles a moda, a preocupação com a segurança, hábitos e costumes.

- Também os hábitos e costumes difundidos pela mídia têm alterado significativamente a vida cotidiana rural. Assim, muita gente que mora na metrópole não tem, necessariamente, uma vida urbana, enquanto pessoas que moram no interior podem ter mais acesso às ditas urbanidades. É nesse ponto que as fronteiras entre urbano e rural se perdem e ganham novas significações - exemplifica o pesquisador.

Outro ponto abordado na pesquisa é a complexidade da relação entre a habitação urbana no que diz respeito à exploração destrutiva da imensa diversidade natural do estado.

- Precisamos lembrar que as perturbações críticas responsáveis pela devastação florestal em áreas montanhosas e florestais da região metropolitana do Rio de Janeiro não implicam apenas perdas ecológicas e econômicas, mas também prejuízos a possibilidades de serviços ambientais, como o turismo ecológico. Foi constatado que a deflagração de processos erosivos, como os desabamentos de encostas, sempre têm início em pequenas transgressões, que desencadeiam processos muitas vezes irreversíveis e tragédias que já pudemos presenciar - diz.

Segundo o geógrafo, o que acontece numa encosta acaba se refletindo sobre toda a bacia de drenagem, podendo causar seu assoreamento, diminuindo a qualidade e a quantidade de água.

- A utilização de uma encosta para a construção de uma estrada, por exemplo, precisa levar em conta esses fatores, porque do contrário incorrerá em custos de manutenção ou de recuperação altíssimos, caso mais tarde a encosta venha a desabar por falta de planejamento adequado e diagnóstico preciso - argumenta.

Para João, poderia haver um uso mais apropriado da natureza.

- Do ponto de vista de benefícios para a população do Rio de Janeiro, manter a floresta de pé significa poder contar com serviços ambientais importantes. A intensificação do turismo ecológico na floresta da Tijuca, a terceira maior floresta urbana do mundo, por exemplo, seria uma excelente alternativa para uma exploração sustentável, que traz benefícios à população sem destruir o ambiente - sugere.

Além do coordenador, também participam do projeto os pesquisadores Augusto César Pinheiro da Silva, Regina Célia de Mattos, Álvaro Ferreira, Rita Montezuma, Rogério de Oliveira e Luiz Felipe Guanaes Rego.

Créditos à Faperj

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nova linha de ônibus facilita acesso ao Piscinão de São Gonçalo

Escola de Dança Maria Olenewa abre inscrições para seleção de novos alunos

Programa Antipichação recupera o Obelisco do Centro do Rio