Hospital da Mulher garante saúde de mães e bebês

Créditos à Charline Fonseca, do Núcleo Intranet

Padecer no paraíso nem sempre é realidade para as mães, mesmo porque muitas delas encontram as primeiras dificuldades antes mesmo da chegada de seus filhos. Mas há um mês, gestantes de todo o estado contam com serviço específico para gestação de alto risco no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

Um dos mais completos centros maternos e neonatais do Rio de Janeiro, com equipamentos de última geração e profissionais capacitados diariamente, o centro é referência no atendimento da gravidez de média e alta complexidade. Pacientes com pressão alta, diabetes ou problemas de tireóide e coração são encaminhadas por postos de saúde e hospitais públicos, por meio da Central de Regulação do Estado, que agenda as consultas no hospital.

Além de acompanhamento integral no período gestacional, desde o pré-natal até o puerpério (período pós-parto), as futuras mães contam com estrutura neonatal completa, lactário, serviço ambulatorial de Ginecologia, Mastologia, Diagnóstico por imagem, Cardiologia, Endocrinologia e Odontologia, além de consultas de Serviço Social, Psicologia e Fonoaudiologia. Mulheres vítimas de violência sexual e doméstica e adolescentes grávidas, a partir de 12 anos, também têm setores exclusivos.

- Oferecemos exames de mastologia, mamografia, ultrassonografia, entre outros, para monitorar o quadro completo da gestante. O Serviço Social detecta as condições de vida da mãe e da família, orientando sobre problemas que possam intervir diretamente no tratamento do bebê. Mulheres com contra-indicação absoluta de gestação futura - por risco de óbito, má formação fetal ou parto muito prematuro - são encaminhadas para o Planejamento Familiar, responsável pelo esclarecimento sobre métodos contraceptivos. Se necessário, realizamos alguns procedimentos, como a laqueadura tubária, desde que a paciente se encaixe no perfil estabelecido pelo Ministério da Saúde – afirma a diretora médica do Hospital da Mulher, a pediatra intensivista Nilene Alvim.

O hospital também é equipado com Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) neonatal, que acolhe bebês em estágio de cuidados intensivos; Unidade Intermediária (UI), em casos de média gravidade; UTI da Mulher, para atender às gestantes em estado grave e Fonoaudiologia, para ensinar às parturientes a melhor forma de amamentar e estimular a liberação do leite e acompanhar a sucção das crianças. As mães recebem kits com produtos de higiene e cuidados pessoais durante a internação, e os bebês ganham roupas, babador, fraldas descartáveis e de pano, toalha de banho e pacote de lenços umedecidos.

Hospital da Mulher

A novidade fica por conta da Casa da Mãe, com capacidade para 15 parturientes que já receberam alta, mas cujos filhos ainda necessitam de internação. A infraestrutura é a mesma de uma casa, com quartos, lavanderia e cozinha, além de acesso ao sistema de câmeras que monitora os recém-nascidos 24h por dia através de um circuito fechado de TV, fora dos horários de visita.

- As mães que moram longe e não têm condições de visitar o bebê, por dificuldade de transporte ou distância, têm direito ao alojamento na Casa da Mãe. Depois que recebe a alta, ela volta para uma consulta de follow up, para que o médico avalie a evolução do quadro, encaminhando ou transferindo o paciente para uma unidade hospitalar mais próxima ao município de origem em casos de necessidade de continuidade do tratamento – explica a médica.

Criada a partir de avaliações técnicas e estudos que apontavam a necessidade de uma unidade de saúde de alta complexidade, exclusiva para a mulher, a maternidade já tem apresentado bons resultados.

– Apesar de estar funcionando desde março, já percebemos um impacto positivo na sociedade. A taxa relativa a complicações como óbito é muito baixa, e os indicadores neonatais são favoráveis, com tempo reduzido de internação e tratamento, mostrando que conseguimos controlar as patologias de forma adequada sem intercorrências graves. Nosso objetivo é garantir um atendimento global à gestante. A população só tem a ganhar – conclui Nilene.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nova linha de ônibus facilita acesso ao Piscinão de São Gonçalo

Escola de Dança Maria Olenewa abre inscrições para seleção de novos alunos

Programa Antipichação recupera o Obelisco do Centro do Rio